Pular para o conteúdo principal

Postagens

Joan Didion

Escrevo inteiramente para descobrir o que estou pensando, o que estou olhando, o que vejo e o que isso significa. O que eu quero e o que temo. Joan Didion
Postagens recentes

RIP

(...)

"Que meu amor descanse em paz."

Assim aquela mulher morena, esguia, de longos cabelos e olhos de menina despediu-se daquele sentimento que a acompanhou por um longo tempo.

Ela encantou-se com as reciprocidades, resistiu às intempéries, adorou todas as bonanças, acreditou no improvável, desafiou prognósticos, apostou em reparos, valorizou os pedaços salvos, buscou novas chances, vibrou a cada oportunidade e sentiu a dor de cada ilusão desvelada.
Até que, em um último respiro, o viu enfraquecer...perder a vida...e finalmente ir.

Ficaram as flores...

Artwork: Catrin Welz-Stein


Livre

Não posso mais amar ninguém
Não tenho mais coração
Apenas borboletas
No peito


Artwork: Christian Schloe 

Amelie Não Quer Mais

A COVID-19 é um mal que abalou (literalmente) o mundo e ainda não parou de fazer vítimas. Mas, na carona do seu isolamento forçado vieram reflexões, percepções e insights que podem mudar (e melhorar) a maneira de nos relacionarmos com a vida. E uma delas é: Precisamos de tanta coisa?

Logo no início da pandemia, com tempo de sobra e sem cabeça para o que exigisse muita concentração, me ocupei arrumando todos os armários que existem na minha casa. Coloquei na conta até aqueles que ficam no alto de nossas cabeças e nos quais costumamos guardar coisas que ficam anos (ou até o resto da vida) sem serem utilizadas. Então para quê guardamos, não é?
O resultado dessa expedição doméstica foram encontros com lembranças, achados eventuais  de coisas que jurava que tinha perdido e, sobretudo, um monte de coisas dispensáveis: roupas que nunca usei, joias que nunca usarei; uma quantidade de bijuterias maior do que sou capaz de usar mesmo se tivesse a vida social mais intensa das galáxias; sapatos q…

Sylvia Plath

Beije-me, e você verá o quanto importante eu sou...
Sylvia Plath


Artwork: Christian Schloe 



Metamorfose.

Adeus não tem despedidas...



Artwork: Catrin Welz-Stein

EuPENSOque

Para entregar-se ao destino
Temos que tirar as mãos do leme
.
.
.
E apenas remar à favor da correnteza  .  .  .




Artwork: Christian Schloe