Posts recentes...clique...navegue...explore!

26.9.16

24.9.16

Lição



A vida concede nosso primeiro respiro e retirado nosso último fôlego

A vida nos empurra, nos move e nos joga de um lado para o outro 
E também nos paralisa quando ficamos perplexos com os fatos

A vida corre paralela mas por vezes determina nossos passos
Sem se importar com quem somos ou no que acreditamos

A vida sempre nos desafia a segurarmos as suas rédeas
Para sermos eficientes coautores do nosso destino

A vida sem pena nos dá e ao mesmo tempo nos tira
Nos afasta de amores, de amigos e de certezas

A vida nos bate com realidade e rotinas
Nos prende pra aprendermos a  soltar

A vida revela que só evoluindo
Podemos saber para onde ir

A vida nos dá o sopro
Nós içamos as velas

A vida venta
Navegamos

2016

16.9.16

Casamentos


As vezes a gente não percebe e desama...
As afinidades enfraquecem
Os objetivos desafinam
A harmonia destoa

Dói, resistimos, lutamos e, por fim, acabamos assumindo.

Isso se você for honesta com você mesma e com o outro
Se for, há sofrimento, mas a vida segue, a amizade fica

As vezes a gente tem que desamar...
As afinidades são atropeladas
Os objetivos massacrados
A harmonia detonada

Dói, rasga, fere, causa hematomas e, por fim, acabamos fugindo.

Isso se você tiver mais amor por você mesma do que pelo outro
Se assim for, não fica nada, nem o bom do passado interessa

O ex-amor pode até te chamar de piranha em praça pública
Que você simplesmente não liga.

2016

14.9.16

Então...



Não entendeu? Beleza, então deixa pra lá.
Ficou com medo? Ok, então esquece.
Não é bem isso? Ah tá, então foi mal.
Não quer? Combinado, então fui.

Tem gente que te dá preguiça...


2016

2.9.16

Fotografias



Vejo suas fotos com a certeza de que você não faz mais parte do meu álbum
Que perdeu qualquer timing, apesar de terem sido muitos
Que seu sim  não durou mais do que alguns segundos

Vejo seu sorriso forçado de quem está morto de tanta alegria
Denunciado pela história diferente que seus olhos contam
Abstinentes de verdades em sua vida

Vejo que continua me olhando de longe, sem querer chegar muito perto
Averiguando se continuo no mesmo lugar esperando o seu tempo
De assumir nosso encontro indiscreto

Vejo que ainda prefere as tapiações, ou melhor, que fez uma escolha por elas
Que optou pelo raso lugar comum da zona de conforto
De achar que tudo é uma grande festa

Vejo que em tempo algum vai quebrar regras, se jogar, ligar o foda-se
Não para fazer bobagens, infantilidades ou alguma outra estupidez de sempre
Mas para ser você completamente

Vejo que sua sensibilidade, criatividade e senso incomum foram soterrados
Bem debaixo do seu nariz, em frente aos meus olhos, ao sabor de aplausos falsos
Que transformaram o seu melhor em entretenimento fácil

Vejo que mesmo que me enviasse mil mensagens ou gritasse nas minhas janelas
Nada poderia mudar mais nada; suas atitudes ou palavras foram desconectadas
Tudo o que não houve entre nós dois agora são fotografias amareladas


2016