Posts recentes...clique...navegue...explore!

27.9.19

Na rota


Busquei e reencontrei a amplidão
Olho para frente e respiro abertura
Cabelos, corpo e sentimentos ao vento
.
.
.
Subitamente um fio de saudade me puxa
Olho para trás e vejo a ilha lá ao longe
Sinto que trouxe em mim pedaços invisíveis
Do que sempre me lembrarei em qualquer tempo
.
.
.
O vento nota que balancei e vem forte em meu resgate
Fazendo meus cabelos me açoitarem como duras chibatas
Forçando-me a parar de olhar para trás e voltar ao horizonte
.
.
.
Estou sem bagagem, sou movimento, volto à aventura de navegar
Deixei pra trás, na ilha, absolutamente tudo o que me fez partir
.
.
Volto ao mar



Livre




Foto: Eu em Búzios | Set 2019

25.9.19

Amplidão




Navegar é preciso
Lançar-se de novo
Jogar-se além mar
Abrir os caminhos
.
.
.
Ir em direção ao ponto zero
Poder mergulhar fundo
Sem que icebergs
Inesperados
Detenham
.
.
.
O fluxo.






Foto: Eu em Búzios | Set 2019



17.9.19

Roteiro


Que fiquem os textos
Eternamente roubados

Que fiquem as projeções
Cenas, sequências, clímax

Que fiquem sensações e toques
De longos e prazerosos ensaios

Que fiquem os fragmentos...no ar
Das conexões e sintonias rompidas

Que fique assim, história inventada

O resto  .  .  .
.
.
.





16.9.19


A solidão não me despedaça
A solidão me cura

A solidão não me assedia
Eu faço questão dela

A solidão é um encontro
Com você mesmo

A solidão é oxigênio
É pausa de tudo
.
.
.
É Precisa
.
.
.
Preciso.




Foto: Eu no MAM - RJ

13.9.19

Matemáticas



Nesse planeta...

Você rechaçar

Quem quer somar
Quem quer edificar
Quem quer contribuir
Quem quer caminhar junto
Quem quer investir em você
Quem quer ajudar você a crescer
.
.
.
Diz muito sobre onde você quer ir...
.
.
.
E chegar.






11.9.19

Marisa Monte



Eis o melhor e o pior de mim
No meu termômetro o meu quilate
Vem, cara, me retrate
Não é impossível
Eu não sou difícil de ler
Faça sua parte
Eu sou daqui, eu não sou de Marte

Vem, cara, me repara
Não vê, 'tá na cara
Eu sou porta-bandeira de mim
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular
Em alguns instantes
Sou pequenina e também gigante

Vem, cara, se declara
O mundo é portátil
Pra quem não tem nada a esconder
Olha minha cara
É só mistério, não tem segredo

Vem cá, não tenha medo
A água é potável
Daqui você pode beber
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular

(...)





Infinito Particular - Compositores: Marisa De Azevedo Monte / Arnaldo Augusto Nora Antunes Filho / Antonio Carlos Santos De Freitas






10.9.19

Fechado.


(...)

Ela tinha que acordar sozinha
Já no dia seguinte...
Hoje não deu
Mas a porta
Bateu
.
.
.
Fez
.
.
.
Bum!

9.9.19

Perdas & Ganhos


Há quem não suporte a solidão

Eu necessito me encontrar comigo
Eu preciso de uma dose diária dela

Eu e o meu tempo, honestidade, oxigênio
Eu e meu quadrado, pequeno pedaço do mundo
Eu e meus pensamentos, percepções, reflexões
Eu e eu, tête a tête, face to face, cara a cara

Por isso, amo a privacidade, individualidade, pausa
Prezo o que me faz entender, me importar, me superar
É é assim que eu me recomponho, me fortaleço, descanso
.
.
.
Para viver...





8.9.19

Quadrado



Às vésperas de 2020
No tal mundo globalizado
Com as expressões ampliadas
E o que percebemos em toda parte?
Que de repente todos querem ser iguais
E que estão se tornando reféns
De falsas expectativas
De falsos modelos
De falsos eus
Em um mundo
Quadrado e
.
.
.
Chato.




7.9.19

Opium


(...)


Abraços esfomeados

Que unificavam
Que sufocavam
Que liberavam
.
.
.
Saudade


Mãos ambiciosas

Que deslizavam
Que apertavam
Que abriam
.
.
.
Desejo


Beijos extasiados

Que exploravam
Que passeavam
Que invadiam
.
.
.
Tudo


Encaixes perfeitos

Que estremeciam
Que instigavam
Que viciavam
.
.
.
Explosão


Encontros maculados

Que machucavam
Que apartavam
Que teimavam
.
.
Opium






6.9.19

Preliminares


Se jogar em uma pista de dança
E dançar todas, se entregando ao ritmo
É como vivenciar preliminares intermináveis
Você fica curtindo o caminho, ainda não chegou lá
Mas seu corpo todo fica motivado e preparado pra isso
.
.
.
Dance.





Photo: pxhere.com




5.9.19

Contraditório


Sim que pode ser sim
Não que pode ser sim
Sim que pode ser não
Não que pode ser talvez
Não que pode ser nunca mais
.
.
.
Tudo isso ao mesmo tempo agora
Nenhuma das alternativas acima
.
.
.
Eu falo quando eu bem quiser
Eu penso o que bem entender
Eu faço o que for verdade

Pra mim.














4.9.19

Passeio


(...)

Eram tão intensas que a carícia preguiçosa do vento que entrava pela janela a excitava.

Assim como o arrepio involuntário do seu corpo ao ser tocado pelo frio do inverno...
O contato delicado do meio dela com a calcinha macia entre as pernas cruzadas...
A dobra lânguida do decote do vestido escorregando pelo seu ombro esquerdo...
.
.
.
Elas...
.
.
.
As indomadas
Degustadas
Molhadas
Quentes


Lembranças.




3.9.19

Sinopse







Nem sempre o que eu escrevo é verdade
Mas o que eu sinto sempre é.













Artwork: Christian Schloe  (blog sepia version)









2.9.19

Astronautas


(...)

E havia uma característica muito comum aos seres humanos da segunda década dos anos 2000: um assustador número deles insistia em des-perceber que as coisas não poderiam mais ser como ANTES.






1.9.19

Ondas...


E o que você faz, quando ondas gigantes internas reviram tudo e te deixam nua, expondo verdades camufladas?

Você se acalma e espera, porque maremotos assustam, mas também expulsam o que não pertence aos mares...