Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2018

Depoimento

E quando dei por mim, deu um click... Eu finalmente eu havia perdido todo o medo De respirar... De ir ao encontro De ganhar ou perder De dizer o que penso De ficar rica ou pobre De errar e encarar isso De sentir como eu  sinto De desprezar os  roteiros De dizer não ou receber não De rejeitar o que eu não quero De enfrentar minhas fragilidades De dar muito certo ou muito errado De me expressar como eu bem entendo De desobedecer o que não me represente De viver... Não sei se é corajoso ou suicida Se é maduro ou infantil Pouco importa Foda-se Essa Sou Eu Artwork: Stasia Burrington

Cura

O médico estava embargado, olhando baixo, escolhendo cirurgicamente cada palavra... Juliana precisou resumir aquilo tudo: — Dr. Felipe, sejamos práticos e objetivos: quanto tempo eu tenho de vida boa, sem ter que me submeter a tratamentos violentos que irão me matar muito antes de eu falecer? Ele arregalou seus olhos muito azuis e gaguejou... — Mas, bem...como assim...como...você não quer fazer o tratamento? Eu recomendo que... Juliana precisou interromper aquilo tudo: — Não importa, Dr. Felipe, apenas me responda: quanto tempo posso viver a minha vida como ela é hoje, sem hospitais, remédios pesados e tratamentos massacrantes? Ele pausou, respirou, pensou, ficou duramente sério, e respondeu firme: — Não tem como eu ser preciso, depende de vários fatores: depende de você, da sua natureza, de como seu organismo irá reagir a uma medicação ao menos paliativa...mas não muito mais, alguns meses, acredito que uns...(pausa)...quatro a oito... — ele esclarec

Explosão

Se eu sou ferida no peito, em toda a sua extensão Eu quero puxar o pano e quebrar a louça Eu quero marretar o vidro dos carros Eu quero colocar fogo na floresta Eu quero pixar obras de arte Eu quero machucar igual. Nem que as armas Sejam palavras Sejam textos Pretextos. Artwork:  Naro Pinosa

Martha Medeiros

"Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente."                                        (Martha Medeiros)       Artwork:  Aykut Aydoğdu                        

John A. Shedd

" Um navio está seguro no porto, mas não é para isso que os navios foram feitos "   John A. Shedd Photo: Mali Maeder

Escolhas...

Ela entra no vagão do metrô Ela prefere ficar de pé, imóvel Seus olhos vagam, ela não está ali O ar-condicionado está gelado, ela arde Da sua nuca escorre uma gota  preguiçosa Entra no vão da coluna, descendo pelas costas Encontrando o cós da calça, se esticando bem fina A gota não se detém e ultrapassa o elástico da calcinha Quando a gota passeia no meio da sua divisão, ela estremece No intenso debate entre a razão e a emoção, o corpo cede E age independente, nele não há confusão, só desejos De repente ela se sente nua no meio daquela gente Sem ter como ocultar o peito aberto até o sexo Sua estação chega, ela se apressa para sair E caminha cegamente até sua casa Sem cumprimentar conhecidos Sem desejar uma boa noite Entra rápido no elevador Avança pelos corredores Abre a porta depressa E cai direto na cama Não para descansar Tampouco dormir Cerra os olhos E cede a ele Escondida Entregue Por uma Última Vez ? Artwork: TA Garcia

Ensaios eternos

Ele a observa calado, imóvel, através do vidro da janela Entre as cortinas que as vezes abrem e revelam a imagem dela Ela se move, tira roupas, mexe nos cabelos, escuta música, dança... Ela cria uma bela coreografia com seus movimentos e, de repente, para Ela ameaça olhar na direção dele, mas ele se abaixa muito rápido. Ela sorri. Ele se esconde, pensa em sair, mas ela não aparece entre as cortinas que bailam Ele acha que ela sabe que ele está ali ; ela também acha que ele sabe que ela sabe Ele nunca se apresentará a ela, segue hipnotizado pelo que vê, mas jamais irá tocá-la Ela o incluiria na vida, na cena, na cama; nu sob lençóis, braços fortes atrás da cabeça... Plateia perfeita. Artwork:  Nelli Utalishvili

Natureza

(...) Sim, é fato, eu continuo com uma natural tendência de desbravar Mas ela agora está desprovida da arrogância de querer mudar cursos Entendi que só mudamos a trajetória de rios com violentos artifícios Também não espero mais que a luz do sol consiga iluminar todos os dias E nem ignoro mais o que a noite estrategicamente não revela em suas brumas A jornada finalmente tornou-se mais importante do que o fins que a originaram E as surpresas pelo caminho muito mais prazerosas do que paraísos que não existem Artwork:  Aykut Aydoğdu

Livre

Não me lembro exatamente como começaram meus grande amores; alguns casos esqueci, de verdade; algumas esbarradas serão para sempre memoráveis, mas também não me ocorrem detalhes. Eu só me lembro (muito bem) que eu ainda tenho vontades... Artwork:  Fajar P. Domingo