Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2019

Coffee break

Ele estava com a mandíbula cerrada Olhando para o nada, às vezes para ela
Muito rápido, para ela não achar que cedia

Ela remexia charmosa os (agora) longos cabelos
Revelando brincos, pedaços de pescoço e de ombros

Ele apertava a boca e a olhava de lado, sem encará-la
Com raiva de ver seus eficientes portões sendo escancarados

Ela falava e mexia levemente na boca com a ponta dos dedos
Uma de tantas manias sutis que desafiavam as resistências dele

Ele administrava ondas conflitantes de descomprometimento e entrega
Estava bem em sua estância de conforto, mas ela era um convite a um voo

Ele até podia sentir o céu, o mar... mas, o receio de sair da terra o fez retirar-se
Ela apenas observou aqueles ombros quadrados que amava irem saindo do foco

De repente...

Ele hesitou, olhou para trás, mas ela também havia ido embora...vestido ao vento
Sem pensar, ele gritou seu nome. Ela parou, e virou o rosto com seu melhor sorriso

Ele estava no lugar de antes: dividido entre ir ao encontro dela ou ir …

Lar

Sua mente é a sua casa
O quão confortável você está nela?

A luz está apagada?
Ou todas as lâmpadas estão acesas
Ofuscando tudo ao redor?

Você limpa os cantinhos?
Há poeira sob os tapetes?
As gavetas estão em ordem?
Acha fácil seus sapatos?

Acumula lixo?

No banheiro há limo?
Suas janelas ficam fechadas
Ou escancaradas?

A sua porta abre apenas com uma chave?
Ou tem trancas, cadeados e várias fechaduras?

Sua mente é sua casa...

Tenha sempre plantas e flores
Iluminação com brandura
Música sempre tocando
Perfume no ar
(Acolha-se)



Artwork: Aykut Aydoğdu

Elo

(...)

Mesmo em um cenário confuso e nublado
Que misturou em doses inacreditáveis
Coisas maravilhosas com absurdos...

Explosões, ruídos, vácuos, silêncio

________________________________

Houve uma linha fina e resistente
Que nunca deixou de levá-los

___________________________

De um tempo a outro...



Artwork: Patrik Svensson




Recomposição

Superar é quando seus piores dias ficaram presos em lembranças opacas

É reconhecer a luz que atraiu e esquecer as sombras que separaram

É visitar a saudade, mas querer ir embora para continuar a vida

É conseguir se conectar só com o que fez tudo valer a pena

É voltar a curtir as playlists que deletou porque doía

É guardar o que ficou em suas asas

E voar novamente...




Artwork: Catrin Welz-Stein





Centro

Estar por sua conta
É quando você se sente:

O único dono do seu mundo
E não se sente sozinho por isso

O único responsável por suas escolhas
E paga o preço de cada uma sem reclamar

A única pessoa capaz de determinar suas visões
E se sente confortável, seguro, sereno e feliz com elas

Sente...e...segue...



Artwork: Catrin Welz-Stein

Turning point

(...)

A cena não saía da sua cabeça.

Não era claro se era uma chuva, chuveirada ou suor extremo
A razão daqueles dois estarem tão embolados, colados e molhados.

Os movimentos se alternavam em pontos altos de sentimento e de desejo
Eles se exploravam com ampla permissão, de um erotismo pesado a abraços.

Mal terminavam, recomeçavam emendando beijos, se apertando, arrastando peles
Se tocando violentamente, como se fossem entrar um no outro e trocar de corpos

Parecia uma luta combinada, com uma agressividade que não machucava e nem doía ou
Quem sabe um suicídio a dois, como se o que pudessem viver começasse e acabasse ali?

A cena não saía da sua cabeça
As emoções não saiam da sua alma
As sensações não saíam do seu corpo

Só as palavras, sempre elas, saiam para...


Artwork: Aykut Aydoğdu




Distância

As vezes a gente só consegue ver (de verdade) bem de longe Em uma distância próxima do inalcançável...



Artwork: Catrin Welz-Stein




Iguaria

(...)

Ele tinha o talento de um pâtissier
A deixava sempre quente, tenra e adocicada
Para ser degustada em muitos matizes de sabores

Mas lhe dava uma única mordida gulosa e cirúrgica
Talvez temendo abrir muito o próprio paladar...




Artwork: Loui Jover







Congelado

Atirei suas roupas pela janela
Seu tênis está perdido no asfalto
Mas você está nu, dormindo, quieto

Não sabe que não tem como ir embora...





Artwork: Amazon / uknown artist

Chamado

Não grite meu nome de onde eu não possa ouvir
Chegue perto o bastante para ouvir o meu silêncio...




Artwork: Frank Moth