Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2019

Transparência

(...) Ela era de muitos (corpos) e de nenhum Andava nua, cabelos ao vento, todos eles Entregava-se  sem tabus por algumas horas Beijava com exaltação, deixava-se consumir Eles ficavam impactados com aquela entrega Maior do que a que esperavam ou mereciam Despertos, ofertavam mundos e poesias . . . Mas ela continuava solta e livre Nua, cabelos ao vento, todos eles Ela não queria mais ser de ninguém Agora só pertencia e amava a si mesma . . . Era o seu próprio oceano, os ventos, o navio . . . E o horizonte. Artwork:  Catrin Welz-Stein (blog sepia version)

Anaïs Nin

Ajusto-me a mim, não ao mundo. Anaïs Nin Artwork:  Mark Mc Kelvin

Limiar

Algumas vezes a saúde só é possível Depois de morrermos um pouco... Artwork:  Catrin Welz-Stein  

Viagem

(...) Ele a observou calado por um tempo E então disse, sem mover um único músculo  - Fazer amor com você é como mergulhar no mar... Foi a frase mais encantadora que ela havia ouvido na vida Ainda mais vinda de alguém que ela sabia que não sabia nadar Nunca havia entrado em um barco e morava muito longe do mar . . . Artwork: Catrin Welz-Stein

Opostos

Abandono e desistência possuem a mesma ação Mas são ações de fontes completamente diferentes Abandono tem a ver sempre com covardia e fraqueza Desistência tem a ver com coragem e força...de partir Artwork:  Christian Schloe   

Marear, Mariar

Não prendo ninguém com cordas Eu não sou a âncora Eu sou o barco... Movimento Vastidão Verdade Ventos Mares . . . Artwork: Catrin Welz-Stein

Unidade

Você desiste de algo ou alguém Quando cada célula que existe em você Te empurra para a direção oposta...para partir Antes disso, tentar ir é apenas um ensaio repetitivo . . . Quando isso acontece . . . Você não pensa mais . . . Você não sente mais . . . Seu corpo te leva . . . Você vai . . . Foi. Artwork: Catrin Welz-Stein

Céu

Página virada não faz barulho... Asas batendo às vezes fazem... Artwork:  Catrin Welz-Stein

Não

(...) E a resposta àquele costumaz silêncio covarde Não saiu de sofisticadas artimanhas do cérebro Nem da insistente complacência do coração. . . . Como uma devastadora tsunami . . . Saiu das vísceras . . . Saiu da alma . . . . . . Que . . . D e s i s t i u . . . E . . . Desaguou  .  .  . . . . Artwork:  Aykut Aydoğdu

Preâmbulo

Há cansaços que transbordam Pelos orifícios Pelos cabelos . Há cansaços que te invadem Te tomam Te assolam . Há cansaços que te abatem Te derrubam Te forçam . . A interromper A descansar . . . Acordar. Artwork: Christian Schloe

(...) Mais uma vez ela se queimou com fogo Doeu de novo, destruiu de novo Mas desta vez ela achou bom Porque tudo virou cinzas Que ao primeiro vento . . .   .   .  Voará Artwork:  Christian Schloe    (blog sepia version)

Gana

(...) Aquela decisão brigava com as vontades dela Mas ela por fim acatou e foi aquietando-se Embora sentisse espasmos involuntários... A distância e o tempo eram seus remédios Porque. . . Ela podia estar farta de banquetes recentes Mas todas as vezes que ele se aproximava Ela imediatamente sentia fome...e sede. Artwork: Christian Schloe

Faxina

Alguns problemas em série São apenas convites à Limpezas profundas . . . E . . . Novos ares. . . Artwork:  Catrin Welz-Stein